21/07/13

AÉREAS - Sem emprego no Brasil, pilotos vivem nova onda de êxodo


Sem emprego no Brasil, pilotos vivem nova onda de êxodo 




 China e Panamá lideram contratações.

 Demissões em massa e corte de voos fazem mercado encolher Com as demissões em massa que atingiram o mercado de aviação em 2012 e a redução na oferta de voos anunciada por TAM e Gol, pilotos que perderam seus empregos não têm conseguido se recolocar no Brasil.

 A busca por uma vaga no exterior tem sido a única alternativa para muitos, movimento que lembra a debandada de comandantes que deixaram o país quando a Varig quebrou, em meados dos anos 2000. 

Nesta recente onda de emigração, China e Panamá são os destinos mais procurados, engordando a lista de países que abrigam mais de 500 pilotos expatriados, segundo o Sindicato Nacional dos Aeronautas . Embora os salários sejam melhores que os pagos por aqui (ao menos o dobro), os pacotes oferecidos aos brasileiros nesta nova onda de êxodo são menos vantajosos que os oferecidos aos ex-pilotos da Varig. 

A chinesa OK Airways, por exemplo, não paga a escola dos filhos dos funcionários e demora cerca de quatro meses para reembolsar as passagens pagas pelos comandantes para visitar a família, segundo pilotos recém-contratados.

 A ajuda de custo para moradia é insuficiente para cobrir o aluguel, e o transporte entre casa e trabalho é custeado pelo empregado. Além disso, o contrato é de dois anos, que pode ser renovado ou não. Nas companhias aéreas do Oriente Médio, que fisgaram os pilotos que deixaram Varig, Vasp e Transbrasil na década passada, os salários chegavam a ser três ou quatro vezes maiores que os pagos por aqui; as passagens de volta ao Brasil eram ilimitadas e gratuitas; e os custos com moradia, transporte e educação eram arcados pelas empresas. 

 Alexandre Fernandes, de 42 anos, é um dos brasileiros que estão na OK Airways. Em outubro de 2012, enquanto o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovava a compra da Webjet pela Gol, Ferreira começava um processo seletivo na aérea chinesa, antecipando-se a uma possível demissão. Esta acabaria se confirmando no mês seguinte, quando a Gol anunciou a extinção da Webjet e a dispensa de 850 funcionários da aérea, dos quais 250 pilotos e copilotos. Fernandes foi contratado pela OK Airways em janeiro.  A Webjet foi destruída pela Gol – lamenta o piloto, que se mudou definitivamente para a China na semana passada, com a mulher, Viviane, e o filho, Felipe, de 10 anos. 

 Além de Ferreira, ao menos outros cinco pilotos brasileiros foram contratados nos últimos meses pela OK Airways, que faz apenas voos domésticos. Um de seus conterrâneos é Rogério Aguirres, de 35 anos, que foi demitido da Gol este ano, somando-se aos 220 dispensados em 2012. 

A demissão o pegou de surpresa. Sua mulher, Janaína, estava grávida de Henrique, que fez dois meses este mês. Quando o bebê nasceu, Aguirres estava no avião, voltando de um treinamento na China. Hoje, já contratado, acompanha a vida do filho por Skype: - Todo meu planejamento foi por água abaixo – disse ele, que se muda de vez com a família para a China nos próximos dias.

 O ex-copiloto da Webjet Márcio Ribeiro, de 33 anos, deixará o país em agosto. Ele vai integrar a equipe da Copa Airlines, ao lado de outros dez pilotos e copilotos da empresa. 

A opção pela aérea panamenha se deve à proximidade com o Brasil. - Não estou indo para fora porque quero. Não arrumei emprego aqui e estou há meses sem receber. Minha vida está sendo destruída,  disse.

 FONTE: O Globo - via:Poder Aéreo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar e enviar seu comentário

Voar News Agradece pela sua participação

Loading...