04/05/13

Ciências & Tecnologias - Cientistas de Harvard fazem primeiro voo controlado de 'robô-inseto'



Cientistas de Harvard fazem primeiro voo controlado de 'robô-inseto' 




Aparelho de 80 mg levou mais de uma década para ser concluído.
 Expectativa é que dispositivo possa ser usado em várias áreas no futuro. 


[vídeo:Publicado em 02/05/2013-por:jobert2kx/via:Youtube.com]

 Cientistas americanos fizeram o primeiro voo controlado de um robô do tamanho de um inseto, após mais de uma década de trabalhos.

 Os resultados do projeto, conduzido pela Escola de Engenharia e Ciências Aplicadas (Seas) e pelo Instituto Wyss de Engenharia Biologicamente Inspirada de Harvard, em Cambridge, Massachusetts, foram publicados nesta quinta-feira (2), na edição online da revista "Science". 

 O RoboBee (Robô Abelha) consegue decolar verticalmente, pairar acima da superfície e ser direcionado para ambos os lados. Apesar do nome, ele foi inspirado no design de uma mosca, tem metade do tamanho de um clipe de papel e pesa 80 mg. 




Suas asas têm 3 cm de envergadura e batem até 120 vezes por segundo. 

O aparelho é feito de tiras de cerâmica que se expandem e se contraem quando um campo elétrico é ativado. Também apresenta um corpo de plástico contendo fibras de carbono, que servem como articulações, além de um sistema que comanda os movimentos de rotação das asas, cada uma de forma independente. 

 No artigo publicado na "Science", o co-autor Pakpong Chirarattananon, estudante de pós-graduação em Harvard, lembra que ficou tão entusiasmado com o robô, que nem conseguiu dormir. Segundo os pesquisadores, o minúsculo dispositivo representa um grande avanço nas áreas de micro manufatura e sistemas de controle, e dezenas de pesquisadores da universidade têm se concentrado nesse tipo de inovação nos últimos anos. O co-autor Kevin Y. Ma, estudante de pós-graduação na Seas, explica que robôs grandes podem funcionar com motores eletromagnéticos, mas, em uma escala tão pequena como essa, foi preciso buscar uma nova alternativa. Isso porque, em proporções minúsculas, qualquer mudança de fluxo de ar pode ter um efeito enorme sobre a dinâmica de voo, e o sistema de controle precisa reagir muito mais rápido para se manter estável.

 Apenas nos últimos seis meses, a equipe fez mais de 20 protótipos do RoboBee, e os próximos devem ser ainda mais confiáveis, com materiais mais leves e fortes e novas combinações, para melhorar a precisão geral de cada dispositivo. 

 Os próximos passos deverão abranger o trabalho paralelo de vários cientistas que pesquisam áreas como o cérebro, o comportamento de colônias de insetos e fontes de energia. 

A meta é que, com a ajuda da observação da natureza, o robô possa um dia ser totalmente autônomo e sem fio.

 No futuro, espera-se também que o RoboBee possa ser aplicado para monitoramento ambiental, operações de busca e salvamento, polinização de culturas e até na área médica. "Quero criar algo que o mundo nunca viu antes. "Esse trabalho" É sobre a emoção de ir além dos limites do que nós pensamos que podemos fazer, dos limites da engenhosidade humana", diz Kevin Y. Ma.

[Vídeo:US Air Force Research Laboratory video animation of a flapping-wing micro air vehicle (MAV) - Enviado em 16/07/2009/por:theworacle - via:Youtube.com]



Fonte:G1.com-via:desastresaereosnews.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar e enviar seu comentário

Voar News Agradece pela sua participação

Loading...