14/08/13

DEFESA & TECNOLOGIAS - AUVSI 2013: China exibe UAV nos EUA pela primeira vez

AUVSI: China exibe UAV nos EUA pela primeira vez 

Hubei Ewatt SVU-200 rotary-wing UAV Billypix


 É a primeira vez que um veículo aéreo não-tripulado chinês (UAV) está sendo exibido nos EUA. 

 O Hubei Ewatt SVU-200 de asa rotativa UAV é um projeto de Dennis Fetters  ex-proprietário da agora extinta Revolution Helicopters.
[foto:humanisticrobotics.com]
 UAVs são uma área relativamente nova de negócios para Ewatt, empresa sediada na província de Hubei mais conhecido pela importação de produtos eletrônicos para a empresa de rede elétrica nacional da China. 

A utilidade dos UAVs para uma empresa de rede de energia é clara - um dos papéis para os UAVs de asas rotativas mais frequentemente mencionados ,é a inspeção da linha de alimentação, um trabalho perigoso e perigoso atualmente realizada por helicópteros tripulados , mas Ewatt tem ambições maiores.

 A empresa está construindo o que ele diz ser a maior fábrica de Drones, na China, com uma capacidade inicial de produção de 200 aeronaves por ano, com a opção de ampliação para produzir 1.000. 

A empresa Ewatt tem a previsão de usar seus Drones em situações Emergências humanitárias , logo após catástrofes como terremotos ou desastres. O SVU-200 tem a capacidade de levantar uma carga de 200 kg, entre os dois compartimentos ,um a frente e outro na parte de trás, ou em um compartimento ventral. A empresa informa ainda que esta desenvolvendo Drones maiores .

 Apesar de ser um setor relativamente avançado e em constante expansão em fabricação aeroespacial, a indústria chinesa não mudou de todo o para o mundo dos Drones civis, ansiosamente aguardado nos EUA e no exterior. As empresas chinesas têm exportado aviões turboélice e aeronaves militares de alta performance, mas os Drones continuam a ser um ativo de capital fechado. "Vai ser interessante ver como, em sua totalidade, e em que medida o desenvolvimento de Drones na China irá impactar o mercado mundial de Drones", diz Austin Strange, analista de estudos sobre a indústria de Drones chineses para da Escola de Guerra Naval dos EUA . "Primeiro de tudo, ao contrário dos Estados Unidos, a China não é um membro ou signatário de dois acordos internacionais muito importantes; 


  • O Acordo de Wassenaar [O “Acordo de Wassenaar” foi criado em 1995 e possui hoje 40 países membros. Foi firmado no pós “Guerra Fria” e tem como objetivo controlar a exportação de armas convencionais, bens e tecnologias de duplo uso. Ele figura como um dos mais importantes regimes multilaterais de controle dessas exportações. O Acordo também prevê a estabilidade e a segurança entre os países membros, assim como a transparência no comércio de armas entre eles.  Permite ainda combater o terrorismo, pois o controle de exportação pode ser utilizado como ferramenta para tanto.];

  •  E o Regime de Controle de Tecnologia de Mísseis (MTCR) - [O Regime de Controle de Tecnologia de Mísseis (MTCR) foi criado em abril de 1987 pelo Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Grã-Bretanha e os Estados Unidos. O MTCR foi criado a fim de conter a disseminação dos sistemas de armas capazes de transportar armas nucleares, especificamente os sistemas de carga mínima de 500 kg, e alcance superior à 300 km. Em Oslo, Julho de 1992, decidiu-se por uma extensão do MTCR  com ainclusão de veículos aéreos não tripulados (UAV)  capazes de transportar armas de destruição em massa. Os materiais proibidos estão divididos em duas categorias,  Software, Tecnologia. Daí o tratado cresceu atingindo 34 nações signatárias, com três nações adicionais que inclui Israel. Desde a sua criação, o MTCR tem sido bem sucedida, contribuindo para diminuir ou freiar vários programas de mísseis balísticos, de acordo com o Arms Control Association: “Argentina, Egito e Iraque abandonaram seus projetos como o do lançador argentino Condor II, um programa  de desenvolvimento de um ICBM que se encontrava em fase final de desenvolvimento].
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/en/9/91/Missile_Technology_Control_Regime.png

*A República Popular da China não é membro do MTCR, mas concordou em cumprir as orientações originais de 1987 bem como do anexo, mas nega-se a atender às revisões posteriores. Primeiramente a China se comprometeu a aderir ao MTCR,  isto em Novembro de 1991, e incluíram essas garantias em uma carta do seu ministro dos Negócios Estrangeiros, em Fevereiro de 1992. Em Outubro de 1994 a China reiterou seu compromisso numa declaração conjunta feita pelos EUA-China. Em 2004, a China solicitaram a adesão ao MTCR, mas os membros não aceitaram alegando preocupações sobre os padrões de controle de exportação da China.
Logo como a China não é um assinante destes, presumivelmente,haverá mais espaço para eles atuarem no mercado, podendo assim vender para mais parceiros. " Na verdade, até mesmo o uso doméstico dos Drones tem sido limitado.

 Drones têm sido uma figura proeminente da aviação militar chinesa, e as empresas chinesas têm comprado estandes de exposição em grandes shows aéreos, incluindo Paris e Farnborough. 

As maiores exposições são reservadas para shows aéreos domésticos, nomeadamente Zhuhai, onde os Drones são expostos a uma média altitude e durante longos períodos de duração em voo com grande destaque . "Eu acho que a China prefere fazê-lo dessa forma, especialmente porque algumas dessas plataformas podem ser relativamente exportáveis. Acho que eles estão ansiosos para atrair diferentes representantes de diferentes países para a China afim de, dar observar mais de perto seus Drones", diz Strange. 

 A exposição do Ewatt em "AUVSI" pode ser o primeiro de muitos, mas permanecem algumas dúvidas sobre a confiabilidade e eficiência dos fabricantes de Drones chineses. Certamente suas plataformas tripuladas sofreram com uma infinidade de problemas (e têm a reputação quebrar), e a concorrência de empresas de outros países - notadamente Israel, o que também não é signatário dos tratados de Wassenaar ou de MTCR - podem causar a China a perda de seu lugar hipotético permanentemente nas rodadas de negociações. Por sua vez o lado militar dos Drones tem visto uma significativa melhora.

Os Drones (UAVs) não são novidade para a China , foi na época de Mao Tse-Tung, que começou a serem importados e copiados Drones da União Soviética.


Tais UAVs já foram exibidos - muitas vezes involuntariamente por cinegrafistas amadores escondidos ao longo das pistas de decolagem - que mostram um renascimento aparente em tecnologia não-tripulada da China. 


[vídeo - enviado por:IvanXylakantsky/via:Youtube.com]


Entre os aviões não tripulados revelou-se um sósia do Global Hawk ostentando uma asa tipo "Box wing"(foto abaixo), apelidado de Dragão Crescente, outro projeto chines de Drone ,é uma aeronave furtiva menor chamada "Sharp Sword"(foto ao lado) . 


[foto:"Box wing" - por:strategicstudyindia.blogspot.com]

Embora as aeronaves, citadas sejam apenas duas, certamente inspiradas por projetos ocidentais, elas exibem alguns aspectos de originalidade e personalização. "No entanto, eu acho que definitivamente ainda há uma grande dúvidas em toda a comunidade internacional sobre a confiabilidade e qualidade dos Drones chineses", ele continua. "Eles ainda são muito desconhecidos fora da China."


Fonte:flightglobal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar e enviar seu comentário

Voar News Agradece pela sua participação

Loading...