13/08/13

AVIAÇÃO & DEFESA - FAB substituirá caças mais potentes por modelo inferior, diz comandante


FAB substituirá caças mais potentes por modelo inferior, diz comandante 




[foto:cavok]

Mirage 2000 será aposentado 2 anos após fim do prazo; F-5 será provisório. 
Substituição ocorre devido à indefinição sobre novas aquisições para FAB. 

 O comandante da Força Aérea Brasileira (FAB), tenente-brigadeiro-do-ar Juniti Saito, afirmou nesta terça-feira (13) em audiência pública no Senado que o governo brasileiro irá substituir as aeronaves Mirage 2000, as mais potentes das Forças Armadas, pelo modelo F-5, de menor potência, a partir do próximo ano.



 Os 12 caças Mirage 2000 que pertencem ao Brasil serão aposentados em 31 de dezembro de 2013. Os jatos, que ficam na base aeronáutica de Anápolis (GO), são responsáveis, principalmente, pela defesa do espaço aéreo da capital federal.



Arte diferenças entre caças da FAB Mirage x F-5 (Foto: Arte G1)

 O modelo F-5, mais antigo, já pertence à FAB e hoje tem como base Canoas (RS), Santa Cruz (RJ) e Manaus (AM). “Com a desativação do Mirage nesse ano, vamos trazer para cá os F-5 modernizados - com míssil compatível com a defesa aérea - e fazer a defesa área da melhor maneira possível. [...] Claro que não é o ideal, mas vamos fazer da melhor forma possível”, disse o comandante da FAB. 

 A medida tomada para substituir os Mirage estava indefinida, motivo pelo qual o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, decidiu convocar audiência pública para esclarecer o tema. 


[foto:Poder Aéreo]

Os Mirage foram comprados em 2006 e a validade inicial prevista era de cinco anos. 
Desde o ano passado, apenas metade dos Mirage estava em operação.

 Com o fim do prazo de validade, em 2012 seis dos caças passaram a servir apenas de suprimento para os modelos que estavam funcionando, sendo usados por exemplo quando havia necessidade de substituição de peças.


[foto:www.aereo.jor.br]

 O Mirage 2000 é o mesmo que em julho de 2012 quebrou vidraças do Supremo Tribunal Federal durante voo rasante na cerimônia de troca da bandeira na Praça dos Três Poderes, em Brasília. Segundo a Força Aérea, o Mirage F2000 pode atingir 2,2 vezes a velocidade do som, que é de mais de 330 metros por segundo.

 Substituição provisória 

 A substituição provisória dos Mirage permanecerá pelo menos até que haja uma definição da compra de 36 aeronaves pela FAB com o intuito de modernizar a Aeronáutica. 

A compra é parte do programa FX-2, reequipamento e modernização da FAB. 

Apesar de ter sido lançado em 2008, o programa ainda não saiu do papel e não há um prazo determinado para as novas aquisições. Juniti Saito negou que o governo federal esteja deixando de cumprir com a sua tarefa no projeto. “Não acredito que governo esteja prevaricando quando há extensão do prazo [das aquisições].

 O Brasil é um país em desenvolvimento e precisa aplicação de recursos em educação, por exemplo. É questão orçamentária, de prioridade”, disse o comandante. O Brasil analisa três diferentes propostas para a compra dos novos caças. 

A norte-americana Boeing é uma das fábricas concorrentes que quer vender caças para o programa brasileiro FX-2. As outras empresas que estão na disputa são a francesa Dassault e a sueca SAAB.


BOEING NA "BERLINDA"

Escândalo de espionagem atrapalha chance dos EUA venderem caças ao Brasil

 A esperança dos Estados Unidos de alcançarem um cobiçado acordo de 4 bilhões de dólares para vender 36 caças ao Brasil sofreu um revés com as revelações recentes de que os norte-americanos espionaram comunicações da Internet brasileira.





 Quando o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, sentar-se para conversar com autoridades brasileiras em Brasília na terça-feira para preparar uma visita de Estado da presidente Dilma Rousseff à Casa Branca, a venda dos jatos não estará na agenda, disse uma fonte. “Não podemos falar dos caças agora… Você não pode dar um contrato desse para um país em que você não confia”, disse uma fonte do alto escalão do governo brasileiro à Reuters sob condição de anonimato devido à sensibilidade da questão.

 A autoridade disse que a visita de um dia de Kerry ao Brasil estará concentrada em restabelecer a confiança entre Washington e Brasília, abalada com as revelações sobre espionagem que geraram um grande alvoroço político no maior parceiro comercial dos Estados Unidos na América do Sul. 

 A Embaixada dos Estados Unidos em Brasília não quis comentar o impacto do caso de espionagem sobre a possível compra de caças norte-americanos. “Acreditamos que a oferta da Boeing é a melhor oferta disponível aos brasileiros e ela tem o apoio total do governo norte-americano”, disse um porta-voz da missão diplomática norte-americana em Brasília. 

No mês passado, o jornal O Globo publicou documentos vazados pelo ex-prestador de serviços da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA) Edward Snowden que revelaram a vigilância das comunicações eletrônicas no Brasil e em outros países latino-americanos. Irritados, senadores brasileiros questionaram a visita de Dilma a Washington em outubro e criticaram a possibilidade de assinar o contrato com os EUA para a renovação da frota de caças da Força Aérea Brasileira (FAB).

 A Boeing, com o caça F-18 Super Hornet, concorre com a francesa Dassault, com o caça Rafale, e a sueca Saab, com o Gripen NG, pelo contrato avaliado em pelo menos 4 bilhões de dólares, além de prováveis encomendas futuras que podem ampliar o valor do contrato ao longo dos anos. 

 O contrato para fornecimento de caças para a FAB se tornou um prêmio cobiçado para as empresas de defesa, no momento em que os Estados Unidos e muitos países europeus reduzem seus orçamentos militares.

 F-18 ERA FAVORITO 

 Uma porta-voz da Boeing se recusou a comentar sobre o estágio atual da oferta, mas disse que o eventual contrato com o Brasil é uma boa oportunidade de negócios para a fabricante de aviões norte-americana. 

 O Brasil tem debatido a substituição de seus defasados caças de combate há mais de uma década, num processo que passou por três presidentes. 

Dilma parecia estar próxima de uma decisão mais cedo neste ano, com a Boeing aparecendo como clara favorita depois de a Força Aérea norte-americana comprar 20 aviões de ataque leve da Embraer para uso no Afeganistão. 


 Dilma adiou uma decisão sobre os caças por conta da desaceleração econômica e da deterioração da situação fiscal do país. 

O orçamento do Ministério da Defesa foi reduzido em 3,7 bilhões de reais em maio e novamente em 920 milhões de reais no mês passado. 

 A onda de manifestações que tomou as ruas do país em junho, impulsionadas por uma ampla frustração com a qualidade dos serviços públicos e corrupção, colocou os gastos governamentais sob os holofotes e ajudou a diminuir as chances de uma grande compra, como a de caças de combate. “Não espero que a presidente decida sobre os contratos dos caças neste ano, e ano que vem é ano de eleição, então isso pode ter que esperar até 2015″, disse uma outra autoridade governamental envolvida na política de defesa. 

 O Ministério da Defesa, no entanto, ainda espera que Dilma assine o acordo para a compra de novos caças antes do fim deste ano. 

 A Força Aérea Brasileira pressionou o governo a tomar uma decisão ao anunciar publicamente que os caças atualmente usados pelo país, os Mirage 2000, de fabricação francesa e que defendem Brasília, estarão obsoletos e não poderão mais ser usados depois do último dia deste ano.

 O escândalo de monitoramento da Internet, revelado por Snowden, afetou as relações entre EUA e Brasil justamente no momento em que elas caminhavam bem sob o governo Dilma. Os laços entre os dois países eram complicados durante o mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que aproximou o Brasil de governos de esquerda da América Latina e do Irã. 

 A visita de Estado de Dilma aos EUA em 23 de outubro é a única do tipo que o presidente norte-americano, Barack Obama, está oferecendo a um líder estrangeiro neste ano, um indicativo da importância que seu governo dá a uma aproximação com o maior país da América Latina. 

 Autoridades brasileiras afirmam que jamais consideraram cancelar a visita de Dilma e que acreditam que as relações entre os dois países são fortes o bastante para deixar o caso de espionagem para trás. 

 Mas o governo brasileiro quer uma explicação melhor do que a que obteve até agora sobre o que a NSA queria e qual a amplitude da vigilância norte-americana sobre as comunicações brasileiras, disseram as autoridades. 


 FONTE: REUTERS - via:G1.com - por:Felipe Néri
Do G1, em Brasília



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar e enviar seu comentário

Voar News Agradece pela sua participação

Loading...