09/03/13

AÉREAS - Qatar Airways quer ser indenizada pela Boeing por prejuízos com o 787 Dreamliners


Qatar Airways quer ser indenizada pela Boeing por prejuízos com o 787 Dreamliners


[foto:www.planetalkinglive.com]

A empresa aérea Qatar Airways informou nesta quarta-feira (6/3), que pedirá indenização à Boeing pelas falhas ocorridas nos modelos 787 Dreamliners. A empresa aérea Qatar Airways informou nesta quarta-feira (6/3), que pedirá indenização à Boeing pelas falhas ocorridas nos modelos 787 Dreamliners.


 A Qatar apoiou a ideia de voltar a operar as aeronaves, mas ressaltou que a companhia quer receber indenizações. "Ainda acredito que eles vão colocar o avião no ar em um futuro não muito distante, mas isso não significa que não vou receber indenização", acrescentou. 

 Os modelos 787 estão parados há aproximadamente dois meses.

 Os prejuízos estão estimados em US$350 milhões em função do superaquecimento de baterias de lítio. 

O Dreamliner mostra que inovação pode virar pesadelo 

Aviões comerciais completamente novos são desenvolvidos apenas cerca de uma vez a cada década, ao custo de bilhões de dólares. Aviões comerciais custam em média US$ 100 milhões cada, aproximadamente o preço de um prédio comercial — ou de cerca de 200.000 iPads. 

Os sistemas aéreos são tão integrados que mudanças em um elemento podem afetar todo o projeto.

 Por anos a Boeing priorizou inovação e tecnologia. Altos executivos previram corretamente que produtos superiores gerariam lucros. No final dos anos 90, a Boeing diminuiu o ritmo da inovação em meio a reviravoltas internas. O programa Dreamliner, aprovado em 2004, marcou um ressurgimento. 

A Boeing afirmou que o avião, construído em grande parte com ligas de materiais, ultrapassaria os avanços tecnológicos da Airbus. O avião se basearia mais na eletricidade do que os aviões existentes, que usam mais energia hidráulica e pneumática. A Boeing prometeu que os avanços poderiam significar uma redução de 20% no consumo de combustível e de 30% no custo de manutenção em relação aos modelos atuais.

 As companhias aéreas compraram a aposta. "Você não pode introduzir um avião tão radicalmente diferente sem ter problemas", diz Robert Milton, que em 2005, como diretor-presidente da ACE Aviation Holdings, controladora da Air Canada, encomendou cerca de 60 Dreamliners. À medida que os pedidos chegavam, a Boeing, sediada em Chicago, se digladiava com os desafios das suas novas tecnologias, como proteger o 787 dos raios.

 O alumínio da fuselagem dos aviões convencionais conduzem as frequentes descargas elétricas e as dissipam, mas o material do Dreamliner, não, o que poderia causar danos ao avião. Como defesa contra raios, os engenheiros da Boeing tiveram que adicionar proteções e estruturas de metais, retornando 900 quilos ao peso do avião. Quando os primeiros aviões foram entregues, outros problemas emergiram. 

No começo de 2007, a Boeing abandonou os planos para sistemas de entretenimento sem fio. A tecnologia ainda não estava madura o suficiente, disseram executivos da empresa.



 *Texto adicional WSJ Fonte:DefesaNet

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar e enviar seu comentário

Voar News Agradece pela sua participação

Loading...