20/06/2012

Defesa do Espaço Aéreo da Rio+20 Realizada pela FAB

Rio+20 FAB faz a Defesa de todo o Espaço Aéreo 


Com a presença de Chefes de Estado de todo mundo, ambientalistas, políticos, cientistas e todos os interessados em discussões sobre a sustentabilidade, a Rio+20 também se caracteriza como um evento de alta segurança. 


Pelo ar, a Força Aérea Brasileira é responsável por controlar todas as aeronaves que sobrevoam o Rio de Janeiro e garantir que nenhuma ameaça aérea tire a tranquilidade da Conferência. 



 Na Base Aérea de Santa Cruz, na zona oeste da cidade, caças F-5EM e A-29 estão preparados para, em minutos, interceptar qualquer aeronave que esteja voando sem um plano de voo aprovado pelo Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA). 

Já na Base Aérea dos Afonsos, na zona norte, estão helicópteros H-60 Blackhawk e AH-2 Sabre, que podem acompanhar alvos mais lentos, como aviões de pequeno porte. 



Tanto os caças quanto os helicópteros também cumprem o alerta em voo, quando permanecem em rotas próximas das áreas de segurança e reduzem o tempo de reação. 

“Essas ações são feitas corriqueiramente pelo COMDABRA. Com a Rio + 20 nós focamos mais nessa situação em que temos que dar mais de segurança”, explica o Coronel Fábio Pinheiro, Chefe de Operações do COMDABRA.

 Até o dia 23, há áreas restritas de sobrevoo sobre o Rio de Janeiro e é proibido voar a até 4 km de distância do Rio Centro, local dos principais eventos. 

Também estão proibidos voos de balões, asa delta, paraquedas e paragliders, dentre outras regras divulgadas com antecedência[...]

 Todas as ações de defesa aérea são coordenadas pelo COMDABRA, que recebe as informações tanto dos aviões e helicópteros interceptadores quanto da rede de radares dos quatro Centros Integrados de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo, com cobertura sobre todo o país. 



Também estão no Rio de Janeiro os aviões-radar E-99, equipados com sistemas que permitem monitorar todos os aviões sobre a cidade, inclusive a baixa altura. 

 O Comandante do Primeiro Grupo de Aviação de Caça, Tenente Coronel Fazio, lembra que apesar da intensidade da defesa aérea durante a Rio + 20, a missão é corriqueira. 

“Operamos isso continuamente sete dias na semana, 24 horas por dia, durante o ano todo”, afirma. Nessas unidades aéreas, os pilotos já estão acostumados a permanecerem sempre pontos para decolar e serem acionados em poucos minutos. Complementando os caças, a Força Aérea Brasileira utiliza helicópteros para missões de defesa aérea para conseguir interceptar todos os tipos de alvo. “Como os aviões não podem voar a velocidades muito baixas, tem que ser um helicóptero para interceptar um helicóptero ou um avião de menor porte. Nós pegamos os alvos mais lentos”, explica o Major Eduardo Barrios, do Esquadrão Pantera. 


A primeira vez que a FAB utilizou helicópteros em missões desse tipo foi na reunião de Chefes de Estado realizada no Rio de Janeiro, em 1999. “É um orgulho participar de uma operação dessa natureza porque isso aqui é o ápice do nosso treinamento. A gente treina, treina e treina para poder fazer esse tipo de segurança”, finalizou o Major Barrios. 


 Fonte: Agência Força Aérea-Via:Cavok
Fotos:Cavok;Aerojor

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar e enviar seu comentário

Voar News Agradece pela sua participação

Loading...